Sua plataforma online de comida
vegetariana e vegana.
Conheça

Colunistas

Você está em: Colunistas > Colunas > Klaus Volkmann

Libertação

Publicada em 23.03.2015

coluna-libertacao

Amad@s,

alguns dias atras, conversando com um querido amigo meu, chegamos a conclusão de que talvez não faça sentido o medo da morte. Não só por que “é isso aí, e temos que aceitar os ciclos da vida”, mas principalmente por que nós estamos constantemente morrendo e renascendo a cada instante, que é mil vezes menor que um segundo. Nós morremos mil vezes e renascemos outras mil – ¿u, queeeee? – nosso verdadeiro ser esta em constante transformação. Agora ele já não é mais o mesmo ser que era a um minuto atrás. Quando mais nos conectamos com nossa respiração, melhor percebemos as mudanças dentro de nós. Primeiro percebemos que estamos presos a uma identidade ilusória, que nós construímos sobre o nosso verdadeiro ser e sobre o que achamos que os outros pensam de nós. Depois nos damos conta que podemos ser o que a gente quiser. Um ser sempre renovado, cheio de energia e vitalidade .

Nosso aprisionamento começa quando nós começamos a ser ensinados a ser e pensar de determinada forma, de acordo com nossa cultura, família e círculos de amigos e “inimigos”. Nossa libertação começa quando começamos a nos (des)identificar com nossa personalidade e passamos a existir por nós mesmos.

Para nossa libertação, precisamos reconhecer o que nos foi ensinado, junto com o que aprendemos com a Natureza, como sendo somente ferramentas para agirmos da melhor forma.

Nós precisamos libertar aqueles inocentes que vivem suas infinitas transformações atrás de grades. Libertar a nós mesmos de nossas grades imaginárias e permitir aos outros que sejam as metamorfoses ambulantes, que verdadeiramente, todos nós somos. Quem é livre deseja libertar.

De um minuto até agora, você, eu e o mundo inteiro já mudamos muito. Cada vez mais pessoas conseguem perceber esta enorme liberdade e gigante potencial de transformação, que estão aí a todo momento, existindo por trás de nuvens mais, ou menos densas.

Além de nossa identidade ilusória está um ser de infinitas possibilidades.

Por trás de todas transformações, uma tranquilidade absoluta. Nossa libertação pode ser uma conquista que vem de prestarmos atenção na respiração, observar sem julgar, de divertir-se, olhar nos olhos, sorrir, escutar, cantar e dançar.

O que você acha?

 

Beijosss com Amor e carinho