Sua plataforma online de comida
vegetariana e vegana.
Conheça

Colunistas

Você está em: Colunistas > Colunas > Renata Coelho

Opinião: chegou a hora de adotar novos hábitos

Publicada em 08.03.2016

veliveryonline2

cowspiracy_cow destaque

Foto: Cowspiracy

Agora é oficial: o ano começou!! O final do ano já passou, e tenho certeza de que muita gente fez o que sempre se faz: novas resoluções para o novo ano – emagrecer, deixar de fumar, de falar palavrão, de comer carne, ter mais tempo, trocar de emprego…

Seja lá o que for, é bacana que ao final de cada ciclo a gente dê esse olhar para dentro, e pense em fazer algo melhor da próxima vez! É da nossa natureza humana querer melhorar, querer o melhor pra si. Acontece que nas férias a gente quer aproveitar, e muitas ou todas essas resoluções vão se diluindo na primeira semana de janeiro, e depois é carnaval, e aí… Aí chega março, e não dá mais pra disfarçar: é agora ou nunca que quem realmente se comprometeu com a mudança tem que agir!

Uma coisa muito interessante aconteceu na semana de Oscar: foi o Leonardo diCaprio, gastando muito do seu tempo em agradecer a merecida premiação de melhor ator, para chamar a atenção do mundo sobre o aquecimento global, e principalmente para que a gente PARE DE PROCRASTINAR! Adorei!!

Chega de deixar pra amanhã o que se TEM de fazer hoje. A questão ambiental, a saúde, a ética animal: o que você está esperando pra deixar o mau hábito de se alimentar de animais?

Sim, desculpa dizer, mas é mau hábito mesmo. Culturalmente se come carne e laticínios porque são ótimas fontes de proteínas. E é verdade. Assim como também é verdade que o consumo aumentado de carne (mais que 300 g/semana) está relacionado com o aumento de doença arterial (infarto, isquemia cerebral, etc) e que os embutidos são cancerígenos. Que os vegetarianos vivem mais e com melhor saúde do que os onívoros. Que as proteínas de fontes vegetais são mais saudáveis, pois tem melhor absorção e biodisponibilidade em nosso corpo.

Poderia continuar a descrever muitas mais evidências, mas todo mundo já entendeu. Não precisamos chegar ao ponto da embalagem de carne vir com uma foto de alguém se recuperando de um AVC ou em tratamento quimioterápico, ou precisamos?

Aí o sujeito economiza água, anda de bicicleta, recicla o lixo, não põe lixo na rua, participa de ações contra o aquecimento global e é conhecido por seus amigos como “ecochato” (ainda tem isso?), mas não se deu conta que a grande saída para a recuperação da saúde do meio ambiente, a única maneira de sairmos desta crise global de devastação da natureza e com ela o aquecimento global é sairmos da nossa zona de conforto e, adivinha? Cessarmos o mau hábito do consumo de derivados animais!

Porque só assim damos um fim neste ciclo vicioso de consumo aumentado e aumento das áreas de monoculturas de grãos (principalmente soja, milho e trigo- que por sinal são transgênicos e por consequência cancerígenos) que existem para sustentar esta pecuária em crescimento. Damos um fim no desmatamento desenfreado para abrir novas áreas de pecuária, destruindo ecossistemas inteiros, cuja recuperação é lenta e delicada. De nada adianta seu banho ser curto ou lavar a louça com pouca água, se ainda consome carne.

Mas indo além, nos tornamos responsáveis pelo abate de milhões e milhões de animais, que são criados apenas para consumo, em “fábricas/fazendas”, sem a menor chance de ter uma vida digna e conforme o design original – ou seja, os animais são cruelmente tratados, criados presos e alimentados de ração contendo inclusive restos mortais da sua própria espécie, são exsanguinados vivos, apenas para você ter sua “ fonte de proteínas” ou sua programação de final de semana garantidas… Nem parece a mesma pessoa que tem seu cachorrinho ou gatinho de estimação, que toma banho, vacina e tem até roupinhas da moda. Qual a diferença entre o seu bichinho e o porco que morreu para virar recheio de cachorro quente?

Não importa qual o motivo, um bom hábito para ser iniciado neste ano, bem podia ser de reduzir e depois parar o mau hábito do consumo animal. Uma troca justa: mais saúde, mais leveza na alma, e a certeza de estarmos criando um mundo melhor. Não é uma boa resolução?

Ou vai deixar pro ano que vem???

PS: a propósito, não deixe de assistir Cowspiracy (já no Netflix) o ótimo documentário dirigido por Leo diCaprio sobre estas questões. Vai ajudar quem ainda tem alguma dúvida!!

 

Renata Coelho, é médica, mãe e ativista da consciência alimentar, e às vezes também procrastina :) – mas não muito

veliveryonline2