Sua plataforma online de comida
vegetariana e vegana.
Conheça

Colunistas

Você está em: Colunistas > Colunas > Renata Coelho

Diabéticos podem ser vegetarianos?

Publicada em 17.11.2015

diabeticos podem ser vegetarianos destaque

Diabéticos podem ser vegetarianos? / Foto: Reprodução

 

Uma leitora do site, diabética, nos comenta que sua tentativa de se tornar vegetariana não deu certo pois não se sentia bem sem a ingestão de carne… Uma apresentadora de programa de TV sobre culinária saudável comenta sua eventual ingestão de carne, quando sente “necessidade energética”, causando polêmica nas redes sociais!

 

O que elas tem em comum? A percepção de que ” falta” proteína em sua dieta, quando do não consumo de carne/produtos de origem animal. E provavelmente elas estejam certas, pois realmente a necessidade do aporte proteico é variável nas pessoas.

 

Leia também:

O açúcar alimenta o câncer
Tudo o que você precisa saber sobre a proteína
10 sintomas de que você tem tudo para se tornar vegetariano 

 

A explicação dessa diferença existir, é porque a obtenção de energia pela célula se dá de 2 maneiras: pela glicólise, que é a produção de energia pelo metabolismo dos carboidratos, e pelo ciclo do ácido cítrico, cuja produção de energia se dá preferencialmente a partir de proteínas e gorduras e seus subprodutos.

 

Chamamos de Perfil oxidativo lento aquelas pessoas cujo ciclo da glicólise é mais lento, e por este motivo necessitam de mais carboidratos, e então menos proteínas do que as de perfil oxidativo rápido, que ao contrário, produzem glicose e subprodutos mais rapidamente, e para não causar desequilíbrio no ciclo do ácido cítrico, necessitam de um aporte proteico maior. Existem ainda pessoas com perfil oxidativo misto, nas quais há uma necessidade bem equilibrada entre carboidratos, proteínas e gorduras.

 

Em síntese, a orientação alimentar que se dá, em relação às necessidades individuais é esta: oxidação lenta, 55- 60% de carboidratos, 30-35 % de proteínas e 10-15% de gorduras, enquanto que na oxidação rápida, 50-55% de proteínas, 30-35% de carboidratos, e 20-25% de gorduras. Existe um questionário bem amplo onde fica simples identificar o perfil de cada pessoa e assim individualizar sua dieta.

 

Sabendo que estas necessidades são variáveis de pessoa para pessoa, é fácil entender porque algumas sentem mais a transição para o vegetarianismo do que outras… Ou porque alguns vegetarianos sentem eventual necessidade de comer carne… Muito provavelmente não haja uma compensação adequada na substituição da proteína de origem animal pela vegetal, ou ainda que a proporção de carboidratos/ proteínas/ gorduras não esteja equilibrada para a necessidade do indivíduo.

 

Este é um outro aspecto muito importante, pois vale sempre lembrar que este aporte proteico pode ser totalmente substituído, sem dano algum para saúde, pelas proteínas de origem vegetal. Não custa dizer que as algas, as microalgas (clorella e espirulina), grão de bico, sementes de abóbora e oleaginosas são ótimas fontes de proteína, sendo as últimas também boas fontes de gorduras “do bem”.

 

Em relação aos diabéticos, também é válido esclarecer, que para um bom controle glicêmico, a ingestão de carnes (e laticínios) é contra-indicada, uma vez que estudos recentes mostram a relação da secreção de insulina e o consumo de proteína de origem animal (o que chamamos de índice insulínico), chegando a ser equivalente ao consumo de carboidratos (e o correspondente índice glicêmico).

 

Então se pode inferir que o consumo de proteínas, e também de gorduras, em geral as de origem animal ou hidrogenadas (trans), são tão prejudiciais ao pâncreas quanto o consumo de carboidratos/açúcares de alto índice glicêmico. E explica porque alguns diabéticos não tem bom controle da doença mesmo com restrição de carboidratos.

 

Isso ajuda a pensar em trocas mais adequadas, que queremos realizar quando estamos fazendo a transição da dieta onívora para a vegetariana, pois o que se vê com frequência são a troca de derivados animais por farinhas e açúcares, os produtos de padaria, ou até produtos vegetarianos cheios de produtos químicos também, o que em nada contribui para a saúde em geral, sendo deletério para todos, principalmente para os diabéticos.

 

Vale então fazer o exercício da auto-observação, e perceber sua necessidade de mais carboidratos ou mais proteínas, para que todos sem exceção possam se sentir bem, exalando saúde e disposição, na dieta de Amor e Paz que o vegetarianismo propõe. A medida que conhecemos nosso corpo e atentamos para suas necessidades, vamos equilibrando nosso sistema biológico, trazendo bem estar, com uma dieta cada vez mais individualizada e apropriada para cada um.

 

E assim também podemos respeitar todas as pessoas, sabendo que todos somos diferentes!!